Blog

←Voltar

Correções de Preço - EX

Ano 2, No 35, Data 11/08/2008

Carlos Martins: Profissional de Investimento Certificado APIMEC CNPI, autor do livro "Os Supersinais da Análise Técnica" (Ed. CampusElsevier, 2010) e sóciofundador do Trader Gráfico.



Uma dúvida muito comum entre investidores iniciantes e também experientes é sobre as correções de preço que uma ação pode sofrer na Bolsa. Nesta newsletter vamos explicar em detalhes como este processo ocorre e quando ele ocorre para que este evento seja útil quando ocorrer e não uma surpresa.

Muito investidores gostam de ações que pagam bons dividendos, muitas empresas definem pagamentos regulares de Juros sobre Capital Próprio (JCP) e/ou Dividendos para entrar na mira destes investidores.

Isto é um fato, para mais informações acesse a newsletter sobre Dividend Yield. Porém, quando a empresa paga efetivamente o JCP ou Dividendo, o último preço de fechamento de suas ações é ajustado para baixo, descontando o valor pago. O novo preço de fechamento teórico é chamado de preço EX.

Há vários eventos que podem gerar correções teóricas de preços históricos, ou preços EX. As mais comuns são:
  • Bonificação: Ocorre sempre que uma empresa distribui ações aos acionistas para ajustar diferenças de patrimônio líquido. Como o valor de mercado da empresa não muda, mas o número de ações em circulação sim, o preço da ação deve ser ajustado teoricamente.
  • Dividendo ou Juros sobre Capital Próprio: Embora sejam dois eventos diferentes, o efeito prático no preço das ações é o mesmo. Se uma ação fechar em uma sexta-feira cotada a R$ 100 / ação e pagar um Dividendo ou JCP de R$ 1 / ação ao acionista, na segunda-feira o preço teórico do último fechamento será de R$ 99 / ação (100 - 1).
  • Subscrição: Se a empresa faz uma chamada de capital aos acionistas, ou seja, distribui novas ações no mercado e aumenta o seu patrimônio líquido, o preço destas novas ações deve sempre ser menor do que o preço de mercado. Isto faz com que um ajuste teórico seja necessário para equalizar os preços de todas ações (novas e antigas) em uma mesma cotação.
  • Grupamento: Muitas vezes o preço de uma ação fica muito baixo, na casa de centavos, e dificulta análises e operações de maior volume. Neste caso, a empresa normalmente agrupa várias ações antigas e troca por apenas 1 ação nova. Assim, um investidor que possuía 1.000 ações desta empresa, após um grupamento de 500 para 1 por exemplo, terá apenas 2 ações, ou 1.000 / 500. Só que o valor financeiro que ele possuía não pode mudar, então o que muda é a cotação da ação, que neste caso vai subir bastante.
  • Desdobramento: é o inverso do Grupamento. Ações de empresas sólidas que se valorizam muito na bolsa acabam ficando caras demais, a ponto de perder compradores simplesmente porque eles não têm dinheiro para comprar um lote mínimo de 100 ações. Quando isto ocorre, as empresas podem desdobrar 1 ação em várias, mas normalmente em 2 ações. Assim, um desdobramento de 1 para 2 faz com que o preço da ação caia pela metade, uma vez que dobra o número de ações em posse dos acionistas.
Vamos agora analisar um exemplo real. A ação preferencial de Petrobras - PETR4 - fechou cotada em 25/04/2008 a R$ 84,30 / ação. Com isto o lote padrão de 100 ações de PETR4 custava R$ 8.430, caro demais para vários investidores pequenos. A empresa definiu em comunicado ao mercado que iria dobrar o número de ações em circulação por meio de um Desdobramento a partir de 25/04/2008. Sendo assim, quem tinha 1 ação passou a ter 2.

Um investidor desavisado poderia achar que a sua posição acionária tinha dobrado, mas longe disso, a posição acionária de todos os acionistas ficou igual. O patrimônio líquido da empresa também continuou igual, então o que mudou? Resposta: A Cotação.

Uma pessoa que tinha comprado 100 ações de PETR4 no fechamento de 25/04/2008 por R$ 8.400, acordou em 28/04/2008 com 200 ações, mas continuou com os mesmos R$ 8.400 em custódia. Para isto ser possível a Bovespa aplicou um cálculo a última cotação de fechamento de R$ 84,30 e modificou-a para R$ 42,15, ou 84,30 / 2. O primeiro negócio do dia 28/04/2008 saiu pela cotação de R$ 42,58 / ação, ou uma alta de 1% sobre o fechamento teórico anterior de R$ 42,15 / ação.

Pelo exemplo acima conseguimos ver que o desdobramento foi positivo para as ações da Petrobras, pois realmente atraiu mais investidores e fez com que isto criasse valor as acionistas. Mas...

... e o gráfico?

É importantíssimo que o investidor que usa a Análise Gráfica fique atento aos preços EX, pois sempre que uma cotação é ajustada teoricamente, não é apenas o último fechamento que é afetado, mas sim todo o histórico da ação.

Vejamos o gráfico do exemplo acima de PETR4 SEM a correção de preço:
Responsive image


E agora o mesmo gráfico de PETR4 COM a correção de preço:
Responsive image


É muito fácil perceber que o gráfico de cima sem a correção de preço É INVÁLIDO para a Análise Gráfica. Com uma distorção tão grande assim é fácil perceber isto, mas imagine uma situação em que o preço altere apenas alguns centavos, como após o pagamento de um dividendo ou após uma subscrição, o gráfico fica inválido para a análise gráfica da mesma forma, mas como você vai perceber?

Nestas horas ajuda muito ter uma ferramenta gráfica que faça as correções de preço automaticamente para você, ou a sua única forma será acompanhar no site da Bovespa ou da empresa que você analisa todos os fatos relevantes e comunicados emitidos ao mercado, pois somente neles esta informação será mencionada.

Lembrando que muitos indicadores, como o MACD, dependem do preço para serem calculados, então um gráfico de preço errado vai levar a um gráfico de indicador errado. Óbvio que isto fará com que a tomada de decisão sobre compra ou venda sairá errada.

Até a próxima semana!

 
Responsive image
O Trader Gráfico aplica correções de preço automaticamente nos gráficos, mas também mostra gráficos sem estas correções. Para alternar entre gráficos corrigidos e sem correção utilize o menu:

Manutenção > Aplicar correções de preço automaticamente nos gráficos (¢)

Para ver quais as correções que estão aplicadas ao gráfico dentro do Trader Gráfico basta acessar o menu:

Estudos > Ver correções de preço deste Ativo

Este e outros tópicos fazem parte do Curso de Introdução ao Mercado de Ações:

https://www.tradergrafico.com.br/cursos
(11) 2122-4044
Telefone e WhatsApp - Horário Comercial

Suporte Técnico e Comercial, entre em contato com a nossa equipe sempre que precisar. Você também conta com o e-mail trader@tradergrafico.com e com uma vasta Documentação e Artigos Técnicos na nossa Ajuda.

CLIENTES Não-Profissionais
Apenas para produtos com Cotações em Tempo Real

Usuários finais, pessoas físicas, que utilizam o serviço única e exclusivamente para benefício próprio, sem fins comerciais ou profissionais, na base de um terminal por CPF e endereço.

CLIENTES Profissionais
Apenas para produtos com Cotações em Tempo Real

Agentes Autônomos, operadores de mesa e consultores são Usuários Profissionais. Acrescentar R$ 130/mês para Bovespa e mais R$ 130/mês para BM&F, de acordo com a política comercial da B3.